Sunday, January 20, 2008

CARTAS DE AMOR : CRITICA BRASILEIRA LIMITADA

para que ninguém fique com sono: correspôndencia completa fortuna-cristobo de leitura inversa


cristobo / 04

Por supuesto que son cartas de amor: del amor que uno tiene o debería tener por aquello que hace, y por lo que otros hacen y uno tiene el gusto de comentar, como forma de aporte, de buscar complementar el trabajo de otro, no creés?

Bueno, no. Seguramente que no creés eso.

Yo creo que el asunto no es únicamente de interés para el blog: lo reproduzco en ese espacio porque es lo que está a mi alcance, claro. Pero creo que la irresponsabilidad y arrogancia con la que un crítico es capaz de tratar la producción ajena es algo sobre lo que vale la pena reflexionar.

Por último: lo opuesto a los poetas que mencionan a otros; serán los poetas que se mencionan a sí mismos? O dicho de otro modo: el vanidoso solipsista que acusa al resto de endogamia -y que no se mezcla con ellos porque no están a su altura- que siga gozoso, manchándose de su propia pluma, única tinta con la que sueña concebirse a sí mismo para el resto de la eternidad.



fortuna / 04

Anibal Cristobo,
Considero que o assunto é público e oportuno o debate. Se são "cartas de amor", na sua opinião...
Observo, no entanto, que não pretendo responder a possíveis interlocutores por meio do blog, mas unicamente por meio deste e-mail. Não me importo, obviamente, se o assunto tratado aqui for de interesse para As Escolhas Afectivas e precisar ser reproduzido, segundo a sua decisão ou a decisão dos poetas que se mencionam uns aos outros.
Felipe Fortuna



cristobo / 03


Fortuna, comprendo el mensaje. Es sensato y razonable decir en el JB que el release de Modo de Usar & Co. fue escrito por un "talentoso meteorologista ou astrônomo amador"; es una crítica seria y responsable afirmar que la "Proposta ideal para formar a equipe de colaboradores de uma revista espírita" sea "convidar poetas que ainda não nasceram para se juntarem aos que já se encontram no além", pero es inconcebible que alguien suponga que esas anotaciones denotan "deshonestidad y sarcasmo", y eso hace imposible que sigas conversando conmigo. Lamento haberme excedido: tiendo a olvidar el delicado sistema de castas que articula nuestro intercambio.
Aplaudo, sin embargo, tu infinita tolerancia con el blog: que consideres la iniciativa como "verdadeiramente importante" nos alegrará el día a los pocos que leamos esa afirmación. Los lectores de JB, creo, se quedarán con una idea muy diferente; pero sabemos que para la prensa, eso de elogiar no queda bien, verdad?
Personalmente, seguiré sin entender qué sistema podría ser más permeable que el de esta cadena rizomática de indicaciones; más abierto a la incorporación de aquellos que no forman parte de nuestro grupo. Quizás, si en vez de que cada poeta mencione a otros, los eligiera a todos yo, tendríamos un sistema menos endogámico. O talvez lo que hubiera que hacer es llamar a alguien que brinde una lista única de poetas que deben ser publicados. Por ejemplo, podríamos llamar a Felipe Fortuna. Creo que eso sería más plural y menos endogámico.
No te insistiré con que sugieras otra opción porque sé que no es lo que te hace sentir cómodo. Mucho menos, teniendo que intercambiar opiniones con Dirceu Villa, Ricardo Domeneck, Marcos Siscar, Carlito Azevedo, Heitor Ferraz, Mariano Marovatto, Susana Scramim, Cristián de Nápoli, Masé Lemos, y, enfin, todos y todas aquell@s poetas y lectores que, con su "nivel muito baixo de opinioes", no merecieron que te mezclaras con ellos.
Entiendo entonces tu afirmación de que no "possamos prosseguir no mesmo nível": me siento orgulloso de haber coincidido con ése tu nivel al menos durante un par de e-mails. Es una distinción que nunca olvidaré.

P.D.: He creído oportuno subir este intercambio de mensaje al Blog en cuestión. Creo que se trata de un asunto público y que sería valioso que cada lector pueda formarse su propia opinión.


Aníbal Cristobo









fortuna / 03

Aníbal Cristobo,
Por favor, seja razoável ao reconhecer que a única crítica realtiva a "& Co." foi feita num contexto muito específico: o editorial da revista afirmava que "A partir de seu nome, a revista aciona um clima (...)". Não compreendi qual a relação estabelecida pelos editores e por isso perguntei: "nem sequer explicaram a preferência pela abreviação Co. em língua inglesa, em vez de Cia." Longe de mim o sentimento nacionalista, que mesmo como diplomata não move os meus ideais mais queridos. Você saberia explicar por que "& Co." foi utilizado?
Fico satisfeito ao saber que o crescimento da família de poetas está permitindo tanto intercâmbio. Fico perplexo, no entanto, que a amizade e a endogamia se transformaram até mesmo em tema de poemas - na minha opinião, sem qualquer mérito. Trata-se, na minha percepção, do mesmo problema apontado pelo crítico Dana Gioia, cujo artigo menciono e cujo livro, Can Poetry Matter? poderia em alguma ocasião constituir matéria de debate no seu blog ou em qualquer outro espaço de debate. recomendo a leitura
Atenção, não me confunda: jamais afirmei que "seguramente viviríamos mejor sin un blog de poesía brasileña". Considero a iniciativa de As Escolhas Afectivas verdadeiramente importante, mas continuo a avaliar o sistema de menções como propício à tendência endogâmica, sim, na linha apontada por Mario Faustino em seu artigo. Acompanhei o debate do Foro 1 do seu site, "O que você acha da situação da poesia no Brasil?", e considerei o nível das opiniões muito baixo, e muito alto o da cumplicidade. Não há propriamente um debate ali, mas uma troca de opiniões quase sempre aproximadas e semelhantes. Detestaria entrar nesse espaço para o debate: prefiro a forma de um texto articulado que possa gerar discussões posteriores, como aliás tem sido boa parte das polêmicas nos principais suplementos literários, como London Review of Books, The New York review of Books, entre tantos outros.
Com essa minha mensagem, estou possivelmente atingindo o limite do meu diálogo com você. Minha tendência ao debate esbarra na sua observação sobre "la deshonestidad y el sarcasmo" que marcariam a minha visão crítica. Por certo você permanecerá com essa impressão, mas ela impede que possamos prosseguir no mesmo nível. Convido-o então a conhecer meus livros de poesia, crítica, tradução (www.felipefortuna.com) e a seguir lendo os artigos no JB. Convido-o também a reler Modo de Usar & Co., que deu início a essa troca de mensagens: posso assegurar-lhe que é uma revista de qualidade duvidosa, porém importante como sintoma de uma etapa da poesia brasileira em que o talento da voz individual foi trocado pela força, débil e equivocada, de um grupo de assemelhados.
Felipe Fortuna



cristobo / 02

Fortuna, disculpe, no había entendido que cuestionar por ejemplo la no-explicitación del término "& Co.", en lugar de su versión brasileña fuese estar haciendo crítica - me parecía apenas un intento de pactar con el sentimiento nacionalista más atávico de tus lectores.

Luego, sobre el blog, debo disculparme nuevamente por no haberme dado cuenta del engendro en cuestión: la numerosa -y en permanente creciemiento- familia endogámica nos ha permitido, a muchos, ponernos en contacto, conocer, leer y debatir a, y con, muchos poetas que no conocíamos antes. El hecho de que haya un espacio, una alternativa más, siempre me pareció algo positivo, un modo de aportar a las posibilidades de la pluralidad. Pero quizás sea otro de mis errores perceptuales: seguramente viviríamos mejor sin un blog de poesía brasileña, y sin una nueva revista y sin, enfin, cualquier otra opinión, órgano de expresión, crítica y poesía que no sea la tuya. Es una pena que alguien ya tan fogueado en el discurso crítico no sea capaz de percibir sus propios prejuicios personales y su mala predisposición a la hora de sentarse a escribir sobre el trabajo de lo otros. O de aceptar que talvez, simplemente, no seas el interlocutor idóneo para entender el valor de algunas cosas y, desde esa incapacidad, quieras extender su lectura negativa a los demás.

Y por cierto: el blog ha sido y es un espacio de debate público; no sólo potencialmente sino de hecho: allí se han producido debates abiertos entre poetas - con el único límite de que los mismos aceptaran exponerse a discutir sus ideas con sus pares en una estructura no-jerárquica. Mi mala memoria me impide recordar haberte visto por allí, conversando y debatiendo con otros poetas sin necesidad de "passar o recado" mediante los lectores del JB: me disculpo también por ese fallo de mis recuerdos.

Tan carente de juicio como soy, el numero de lanzamiento de la revista me impide ver su trayectoría, dinámica y modificaciones futuras, como para poder hacer un juicio adivinatorio tan terminante como el tuyo -que Modo de Usar & Co. no es una revista nueva, que repite la fórmula, etc- pero, en cambio, percibo la deshonestidad y el sarcasmo con el que buscás descalificar el trabajo ajeno con ironías tan delicadas como la de convidar a los poetas aún no nacidos. Una vez más, Fortuna: es eso crítica? Porque yo aprendí que el discurso y la reflexión sobre la producción ajena tenían sentido cuando uno era capaz de tender nuevos puentes interpretativos a otros lectores, no para intentar dejar en rídiculo a quienes emprenden una tarea con frasecitas ingeniosas. Y ahora no sé si aprendí mal, si hace 20 años sería diferente, o si todos esos años te fueron haciendo perder el respeto hacia los demás.


Aníbal Cristobo.




fortuna / 02


Aníbal Cristobo,

Agradeço sua leitura do meu artigo e sua carta. Em resposta à primeira pergunta que me fez, afirmo que escrevi crítica literária, sim, não sem fazer observações que mais se enquadram no contexto a crítica cultural. A minha crítica, por exemplo, não tem o caráter rotineiro da que escreveu Franklin Alves Dassie sobre Sebatião Uchoa Leite, na revista Modo de Usar & Co.: velhas percepções, repetidas à exaustão, sobre um poeta enfim epigonal da literatura brasileira. Meu artigo expressa a percepção de quem acompanha com seriedade a produção da poesia brasileira e vem escrevendo sobre o assunto há mais de 20 anos, juntamente com a publicação de livros de poesia, que obviamente se expõem à interpretação dos críticos.
Quanto ao seu blog, interpreto-o - como quis demonstrar no meu artigo - como a potencialização de uma tendência da endogamia que marca a poesia brasileira. Há pouco debate, atualmente, sobre o assunto - e muita produção que só vem a público por causa de um circuito de amizades e da força centrípeta mencionada. Mario Faustino, num artigo da década de 60, já havia diagnosticado a situação: "Vida literária, emulação, reuniões sérias, leituras de poesia inédita, troca de experiências, debates, nada disso temos. Quando se conversa sobre um poema, o mais que sai, em geral, é o ‘tá bom’, o ‘muito ruim’, o ‘é uma beleza’. Em lugar disso tudo, há o fenômeno amizade, o mesmo que se verifica em nossa administração, em nossa política: meu amigo escreve bem, meu inimigo escreve mal.” O texto completo, se lhe interessar, encontra-se em Poesia-Experiência.
Ao contrário do que você pensa, Modo de Usar & Co. não é uma revista nova: repete a fórmula de Inimigo Rumor.
O que você chama de "leitura rizomática" (se é que existe algum valor nela), eu chamo de círculo vicioso, aliás sem qualquer valor para a poesia. Leia, por exemplo, esse trecho do poema "A Falta que Ela me Faz", de Fabiano Calixto: “ontem falei ao telefone com Carlito / (estava calçando seu All-star verde / e ia dar uma volta à Lagoa com Marilinha)”. Alguns outros trechos do livro possuem essa mesma indulgência, sem que sirvam à poesia.
Espero que você esteja equivocado ao afirmar que eu não trouxe idéia alguma com meu artigo. Felizmente, algumas mensagens já recebidas, de poetas e críticos, me dizem o contrário, e assim não preciso mais me defender a mim mesmo.
Sugiro que esqueça a retórica sobre o "pequeno espaço de poder". O caderno Idéias & Livros, tenho certeza, publicaria qualquer artigo bem argumentado que se confrontasse à minha posição - que é isso mesmo, somente uma posição.
Se estamos em desacordo, pelo menos encontramos esse espaço para o debate e a conversa.

Felipe Fortuna



cristobo / 01

Fortuna: eso es crítica? Hablar del círculo vicioso y de fuerzas centrípetas de un blog que debe andar por los 150 poetas sin ser subvencionado es suponer que el pequeño grupo de amigos no es tan pequeño; o que tu lectura es tendenciosa. Del mismo modo que, desde el JB, querer ensañarse con el primer número de una revista solamente porque no comparte tu gramática ni tu lógica es un exceso. Que un grupo de colaboradores de una revista cree una nueva publicación habla de la necesidad de abrir nuevas líneas; y no creo que sea una muestra de monogamia, sino más bien lo contrario.

No te queda ni un poco de sentimiento de respeto por el trabajo ajeno, verdad? Las afinidades entre pares son lógicas; pero los poetas se mencionan entre ellos y mencionan también a otros: así el juego va abriéndose en una lectura rizomática; lamentablemente todo eso no te sirve para mostrarte sarcástico desde tu pequeño espacio de poder, porque son lecturas que implican ejercitar la empatía, o al menos una suspensión del prejuicio - y lo tuyo, a la vista está, está más cercano a la ironía resentida. Para intentar seguir el tono de tu nota, sólo se me ocurre decirte una cosa: resulta un poco inapropiado que hayas publicado eso en el cuaderno "Idéias & Livros", porque no se trata de un libro sino de una revista - e ideas, está claro, no aportás ninguna.

Aníbal Cristobo.-





fortuna / 01 : enviado por mail

Jornal do Brasil

Caderno Idéias & Livros

Sábado, 19 de janeiro de 2008

Poesia Brasileira Ltda.

Felipe Fortuna

Fui incluído entre os destinatários de uma mensagem eletrônica que convidava para o lançamento da revista literária Modo de Usar & Co. (Berinjela, 204 p., R$20) e indicava os propósitos de sua publicação: “A partir de seu nome, a revista aciona um clima de intervenção e propõe uma mudança em certos ângulos e perspectivas, convidando o leitor a observar as escolhas tidas como naturais sob uma outra luz possível.” Reli a frase algumas vezes e por fim concluí que ela fora escrita por um talentoso meteorologista ou astrônomo amador. Afinal, o que é “acionar um clima”? Como poderei “observar as escolhas tidas como naturais sob uma outra luz possível”? E o que tem o nome da revista a ver com isso, se nem sequer explicaram a preferência pela abreviação Co. em língua inglesa, em vez de Cia.?

A apresentação da revista prossegue em tom desmiolado, com o qual se proclama que “os editores da revista ocupam-se com a discussão de possíveis novas formas (...) e noções de objetividade e concretude lidas com a lente do significado das palavras em seu ‘uso na língua’”. A bizarra explicação, como já se percebeu, ignora qualquer arranjo coerente ou gramatical, e prossegue em seu disparate: afirma-se que “a seleção dos textos (...) teve uma avaliação [sic] que procurou medir, antes, sua necessidade para o cenário (...)”. Os editores informam, ainda, que “dentre os trabalhos selecionados, estão poetas brasileiros recentes [sic], unidos a poetas já ativos desde a década anterior” – mas seriam estes últimos também brasileiros, embora todos tenham sido confundidos aos trabalhos selecionados? Por fim, os editores acreditam que “um novo momento histórico traz novas necessidades [sic], às quais os poetas a surgir – e a obra dos poetas mortos – acabam por ter que responder.” Proposta ideal para formar a equipe de colaboradores de uma revista espírita: convidar poetas que ainda não nasceram para se juntarem aos que já se encontram no além.

Tamanha imperícia com o idioma e tanto desapego à lógica preparam mal o leitor de Modo de Usar & Co. Ainda assim, começa-se a leitura com a aspiração de que a insensata apresentação nada tenha a ver com a qualidade dos colaboradores reunidos ali. Os editores são Angélica Freitas, Fabiano Calixto, Marília Garcia e Ricardo Domeneck – eles mesmos também poetas e quase todos tradutores, cuja produção se espraia nas páginas da revista. Subitamente, porém, ocorre a observação: como pode a publicação trazer nova proposta se os seus colaboradores são os mesmos que já fazem parte da revista Inimigo Rumor, editada a partir de 1997? A pergunta, no entanto, é superada por outra observação, que diz respeito ao estado atual da poesia brasileira: boa parte dos poetas se compraz num rotineiro processo de endogamia, no qual se alinham e se combinam os membros da mesma tribo.

Está no ar, por exemplo, o site “As Escolhas Afectivas”, organizado pelo poeta argentino-brasileiro Aníbal Cristobo – também presente na revista Modo de Usar & Co. Nele se criou um sistema de indicações pelo qual o poeta mencionado deve mencionar outros poetas, num círculo vicioso e de força centrípeta: é lá que Fabiano Calixto escolhe Ricardo Domeneck (que escolhe Marília Garcia e Angélica Freitas) e Marília Garcia (que escolhe Ricardo Domeneck), cujos afetos se expandem aos nomes dos demais colaboradores da revista. Por sua natureza passional e comunitária, esse sistema poderia ser melhor compreendido com a releitura do capítulo “O Homem Cordial”, de Raízes do Brasil (1936), no qual Sérgio Buarque de Holanda comenta o pacto emotivo no qual o indivíduo se reduz em nome da coletividade, dado o “pavor que ele sente em viver consigo mesmo”.

Esse aspecto gregário, que repele a voz individual e se fundamenta na informalidade, seria apenas uma anotação sociológica se não apresentasse fundas repercussões na obra literária: em Modo de Usar & Co., desdobra-se a cumplicidade não somente nas dedicatórias, mas também na falta geral de surpresa com a originalidade de um poeta ou com a visão crítica sobre, por exemplo, a poesia de Sebastião Uchoa Leite. Num ensaio justamente intitulado “A Poesia Pode Interessar?”, que causou forte debate a partir de sua publicação, em 1991, o crítico norte-americano Dana Gioia examina o isolamento dos poetas, condenados a lerem a si mesmos e a não criarem novos leitores, ao mesmo tempo em que organizam revistas e antologias sob o critério do oportunismo grupal. Na sua percepção, muitas dessas iniciativas “dão a impressão de que a qualidade literária é um conceito que nem o editor nem o leitor devem levar muito a sério.” As conexões entre resenhistas e poetas, bem como a criação de uma linguagem própria ao inner circle têm contribuído para a falta de prestígio da poesia na cena cultural.

Para cada um dos poetas reunidos em Modo de Usar & Co., e estimulado pelo inesquecível editorial da revista, poderia ser formulada a pergunta de Carlos Drummond de Andrade em famoso poema: “Trouxeste a chave?” O utensílio não estaria com o Fabiano Calixto do poema “Animal Boy” – no qual menciona o poeta Aníbal Cristobo – e seus versos de extenso prosaísmo como:

no Brasil, os deputados se reuniam

para dividir a pizza da corrupção que assola o país

quando ouviram a maléfica notícia

os ratos

resolveram abrir uma CPI para

verificar os fatos.

Muito menos na tradução equivocada de uma canção de John Lennon e Paul McCartney, “Na Minha Vida”, feita por Rodrigo Ponts, o mesmo poeta que na revista inicia o poema “Odelegia à Quimioterapia” assim:

o céu era todo azul

azul de céu quase-amarelo

nem uma nuvenzinha

sujava a planura da cor

: só mesmo a luz planava.

Lucidamente (já que o editorial mencionava “uma outra luz possível”), ao menos o poeta Manoel Ricardo de Lima, em entrevista a Modo de Usar & Co., põe em dúvida a existência de “poetas jovens com voz forte” que estão “questionando as estruturas”, assim como a “cartografia simplória que vai desde certas antologias (...) até a sugestão do cânone.” Ele tem razão: a ação entre amigos se esgota em si mesma e nas suas simplificações e provincianismos. E todo o resto é literatura.






12 comments:

Anonymous said...

"Não tenho sono. Estou acordado como um cão. / Eu não durmo porque hoje eu vivi demais" ou
"O que se move no peixe é seu poema de dentro". Que coisa horríveis! Aníbal, realmente esse cara é "um dos melhores poetas da geração". E o cara vem falar de prosaísmo? É um pobre-diabo equivocado. Com a cabeça podre. Abraços, Paulo Nóbrega.

Darvuzio Peffes said...

Não questiono as opiniões de Felipe Fortuna acerca da revista Modo de Usar & CO. Em muitos pontos, concordo com o que ele diz (há, realmente, muito de aloprado na apresentação da revista); em diversos outros pontos, discordo (a manipulação grosseira do verso de Drummond - "Trouxeste a chave?" - deixa clara a preferência por uma poesia que 'resolva', que dê respostas, que solucione problemas - em vez de propor problemas, o que é sempre mais interessante -, e não menos clara é sua preferência por uma resposta única, monológica - em suma, autoritária, auto-suficiente, às questões - ou há um só? - da poesia).

Mas questionável, de fato, me pareceu o procedimento de distribuir o seu artigo em forma de email circular, urbi et orbi, talvez com receio infantil de que sua "mensagem" apocalíptica não atingisse os tolos poetas tão precisados dela... Neste procedimento, ficou evidente todo o arrivismo risível de quem foi condenado à margem pela própria mediocridade como poeta e crítico.

Antes de dormir, vou pegar os livros de Fortuna e ver se encontro ali a tal da "chave". Ou, pelo menos, o sono.

Anonymous said...

Minha parte preferida é quando ele se dá conta de que na verdade está resenhando o "release" da revista que acompanha o convite eletrõnico, como ele confessa na primeira linha da resenha, e aí passa, muito matreiramente, a chamá-lo de "editorial" (que a revista não tem) no antepenúltimo e no último parágrafo de seu texto, magistralmente desmontado por Aníbal.

Buda Nagô

Darvuzio Peffes said...

Descobri. Para o Felipe Miséria, bom mesmo é o Pedro Paulo de Sena Madureira. Isto é que é poeta. Tem até nome de poeta. Será que este tem a "chave"?

Anonymous said...

Vamos ver se eu entendi:

uma revista de poesia que é editada por uma gaúcha que mora na bolívia, por um paulista que mora em berlim, por um pernambucano que mora em são paulo, e por uma carioca que mora (ora veja!) no rio, acende uma polêmica entre um argentino que mora em barcelona e um diplomata brasileiro em londres?

além disso seu release é "meio aloprado" e parece escrito por "um talentoso meteorologista ou astrônomo amador"?

só digo uma coisa:

EU QUERO MINHA
MODO DE USAR & CO!!!

Anonymous said...

Pois é, caro Anonymous (Bosch?), depois o resenhista ainda fica estranhado porque a revista se assina "& co" (eco! eco! eco!) e não "& cia"! Ilusão de assegurar a pureza de línguas, nações, ordem, moral e progresso.
Chega de poesia almofadinha, viva os metereologistas, astrônomos e meio aloprados da poesia.

Heteronymous Bosch

Aníbal Cristobo said...

Embora nao ache admissível censurar nenhum "comment" que nao seja ofensivo, peço aos amigos -e mesmo àqueles que nao o sejam- aportem ao debate nao só as suas impressoes (digitais) mas também seus nomes completos. Acredito que isso aporta alguma credibilidade e integridade ao debate. Agradeço a comprensao sobre o assunto e sobre o meu portunhol de sempre.


abraços,

a.-

Anonymous said...

alô aníbal querido - como você vê a gente não te deixa tirar férias...

foi só você ameaçar com essas férias virtuais que o blog parece que explodiu!

olha só, eu não coloquei pseudônimo na minha mensagem não, mas, como não assinei, ela saiu como "anonymous", então - como você bem diz - para o bem da conversa eu digo que aquela mensagem que começa assim: " uma revista de poesia que é editada por uma gaúcha que mora na bolívia, por um paulista que mora em berlim, por um pernambucano que mora em são paulo, e por uma carioca que mora (ora veja!) no rio, acende uma polêmica entre um argentino que mora em barcelona e um diplomata brasileiro em londres?" foi escrita, assinada e assumida por seu amigo carioca
que te manda um abraço
Carlito

berinjela said...

Querido Aníbal, no deja de ser revelador que el puntapié de nuestra fortuna crítica sea desferido por alguién que parece no haberse dado el trabajo de leer el contenido de la revista. El crítico no fue injusto, fue infantil. Al crítico se le debe dar la misma libertad que a la creación. Puede fantasiar, manipular, falsear, alumbrar, puede, incluso, dejar manifiesto su rencor. Te escribo en español para que no te quedes solo en tu "portunhol de sempre". daniel chomski

Darvuzio Peffes said...

Darvuzio Peffes não é pseudônimo. É condinome.

Heitor Ferraz Mello said...

Obrigado pela dica! Como sou um daqueles que foi considerado de "baixo nível" para discutir qualquer idéia com o Felipe Fortuna, manterei meu baixo nível. Não vou discutir. Quero apenas propor a confecção de uma antologia da poesia endogâmica. Ah, que prazer, irei até Horácio. Catulo também estará presente. E assim seguirei até chegar neste Brasil. Todo mundo cai na dança. Drummond, o poeta endógamo! Quem mandou fazer poemas citando nominalmente Emílio Moura, Bandeira e tantos outros amigos? O próprio Bandeira, rei da endogamia, principalmente com o tal de Ovalle, surgirá tossindo poemas. Frank O'Hara com o John Ashbery. Jacques Roubaud com Claude Roy. Etc. Será que alguém escapa? O Felipe Fortuna? Que pena, nesta antologia seu poema não será incluído, já que você não participa do sistema endogâmico da poesia. Abraços amigos (que boa palavra num mundo tão mesquinho... amigo). Heitor Ferraz Mello (precisa de RG e CIC?)

Aníbal Cristobo said...

Ah nao, vc nao precisa RG nem CIC, pois vc já ganhou poema deste endogâmico "blogger"...

um abraço,



a.-