Saturday, March 24, 2007

MARCELO NOAH






mencionado por:Angélica Freitas


menciona a:Paulo Wainberg
Fabio Godoh
João Mognon
Diego Petrarca
Patrick Matzenbacher










3 poemas










"Através" poema-objeto, 2003. Fotografia de Camila Schenkel.




























a. bioPoeta pós-contemporâneo, Marcelo Noah é adepto do postulado do ecletismo radical. Curte a Maria Callas, o Nijinsky, a Angélica Freitas e o Carl Solomon. Foi acusado de envolvimento no "I Congresso de Poesia Totalitária - Algonauta Navepoesia Galacto-canibal", bem como da difusão do joliz e revolucionário programa de rádio "Clara Crocodilo Show!". Lançou em 2006 o CD "Trinta em Transe", que faz um apanhado da poesia no sul do Brasil e organizou o primeiro Slam de Poesia do país. No cinema, dirigiu o curta-metragem "Mel do Zé", que cobre uma noite de prazeres de Zé Celso Martinez em Porto Alegre. Atualmente mantém atividades mais-que-literárias junto ao grupo "Nave Vazia" e à rádio Ipanema fm. Marcelo Noah transa um vegetarianismo e o tráfico de uísque importado na fronteira com o Uruguai.

links







b. poética

a poesia ereciona as idéias.















13 comments:

levitantes said...

sem comentários?

andreas woichikowski said...

um dia ia ter que aparece alguém que faça poesia contemporânea por aqui.

salve o noah!

Berto said...

então tá: contemporâneo é quem seguir o modelo de augusto de campos (aquele que nasceu em 1930, lembram?)
então tá combinado.

a f r a said...

olha a pendência.
não acho que a poesia dele seja contempornea, pois ao se pretender um ecletismo radical caísse numa vala do comum, do com (um) ---- poesia feita pela geracao do excesso - do culto ao prazer - e ao mesmo tempo da nostalgia de outras eras.
ei Berto? voce sabe quem influenciou o campos e que era muito amigo dele e alias criou até manunais de escrita?
se souber, entao verá que nao é procurando uma arqueologia mas tomando cuidado de colocar no poço da poesia prosaica.
nao gosto da poesia do NOAH - pois se pretende a alguma maturidade - nao é isso que mostra ao falar de si e expor poemas tão regulares, eita, regulares nao!, a poesia é imprescindivel, somente nao sei para que. porem nao me agrada a poesia desse estilo.
e pronto.
dionisios.zip.net

afonso said...

Poeta pós-contemporâneo?
não sabia que poderiamos ser "pós" na contingência de um espaço poético que vive/assiste/está em territórios anacrônicos;

Anonymous said...

"Il ya a une manière d'entrer dans le temps, sans se vendre aux puissances du temps."

Antonin Artaud - VII, página 149.

Guto Melo said...

Eu como esse amor cereal

Guto Melo said...

Pós-contemporâneo? Marcelo Noah é o abismo.

Gustavo Soares said...

Muito bons os poemas, Che Noah voa no abismo, caro Guto.

Carolina A. said...

o poema-objeto dá muita azas a imaginação, rapaz!

muito bom!

Carolina A. said...

quis dizer asas.

zé da matta said...

eu curti

nora said...

To achando um barato sua poesia e adorando seu blog
abraços nora