Monday, August 18, 2008

NORA FORTUNATO









Mencionada por:

Daniela Storto

Menciona:

Maira Thorley
Suzana Vargas
Flora Furtado
Mércia Menezes







POEMAS


Garçonete

elas se conhecem
as moças
do café
elas me conhecem, ou
pelo menos
reparam
no correr do meu
estado
o que se apresenta

talvez leiam os puzzles
em mim

é curioso notar
isso
durante a tarde





RECEIA SABER a ponte
que a levará ao próximo galpão
a amplitude de sua voz

nem por isso se despede das frias lantejoulas de agora
(pendura-as nas sombras de dúvida)
aspira, aspira: aspira
em uma volta, escute:
datas, situações
era tudo assim?
e você se dá bem com isso?

com o sol enroscado na manhã
em golpes de luz
acorda seus pés
páre agora para retratá-la, a manhã
quando as janelas são só rotinas
quando os passos do mundo estão à sua
volta

depois de múltiplas manhãs
nem sabe pousar a pele sobre si mesmo
por isso, um espaço para si
estaria tudo à mesma
fugir da eletricidade do Tempo
de repente, como é de literatura, algo acontece
mas o quê?
não ouve na estante nada molhado
não vê areias estações ladrilhos
nada acontece
ela esticou a mente e se pôs a graduá-la:
fria
morna
ácida







a esta experiência
se somam dois lados



ela cheira suas roupas
pra saber se tem valor
eu as arrumo em cores



plastifico o dicionário
como nos tempos de escola
e insisto no amarelo
ela enche de sacos plásticos a geladeira



a céu aberto,
todos a observam
ele se mira no espelho
do elevador
frente às câmeras





BIO/BIBLIOGRAFIA




Nora Fortunato nasceu em Jundiaí, SP, em 1975. É violoncelista .Tem poemas publicados na revista Inimigo Rumor 18 e 19. Prepara seu primeiro livro de poemas. Mantém o blog www.norafortunato.blogspot.com.





POÉTICA



Preciso de poesia, de invenção, para refletir. Faço poesia para apalpar o subjetivo, para o que me escapa. Gosto de ver as possibilidades controversas e da possibilidaDESobservação do cérebro quando convulsiona. Nas palavras de Carlito Azevedo:
a idéia é por as duas mãos no centro nervoso do delírio.

4 comments:

Maira Thorley said...

Nora querida! que alegria te ver aqui e melhor ainda ver poesias maravilhosas que ainda nao conhecia.
Agora estou esperando o livro!!!
um beijaozao

Luiz Modesto said...

Que delícia...
Abraços

Anonymous said...

Norinha querida,
Seus poemas são sempre surpreendentes. A gente sente que a criação é para você um gesto natural e cotidiano. Bem-vinda e beijos, Dani.

Jorge Ampuero said...

Bella poeta y de seguro una bella poética.

Saludos...