Friday, November 24, 2006

CAETANO GOTARDO




mencionado por:
Marco Dutra
Angélica Freitas

menciona a:
Carlito Azevedo
Heitor Ferraz
Angélica Freitas
Marco Dutra
Lilian Aquino
Carla Kinzo
Juliana Rojas
Gilson Soares
Maria Eugênia



poemas:


Motor

Vou acabar machucando minha boca você diz
seus lábios estão ressecados pelo frio
seus dentes encontram as pontas de pele
para arrancá-las

Antes que se pense a respeito
os dentes lá estão

Mesmo que se pense a respeito
os dentes lá estão

Há pouco você evitou um outro gesto irrefletido
quando sua mão e seu fôlego
estavam prontos a acender um cigarro

Sem um maço
e sem fogo
no bolso
o gesto não se completa

e ainda que o sabor da fumaça não mais o mova
por um instante a mão e o fôlego
são no seu corpo algo que falta

trata-se de um buraco

a morte difícil de um hábito


Meus lábios também se partem no frio
e também os mastigo

Não precisa esperar comigo você diz
passar frio à toa
o ônibus vem logo
ou demora pouco
posso esperar sozinho

Eu sorrio
não sei dizer nada
não saio daqui
necessito
(como sua mão de um cigarro que se tire do maço
e se prenda entre os dedos)
ver você entrar no ônibus olhar ao redor sentar-se
ver você
ainda
enquanto desaparece




Cebolinha

I. Um relato de Cebolinha

O louco está louco

No meio da lua cheia
(a lesma de papel na lama)
o louco toma pastilhas valda




II. A amante de Cebolinha

Quando ele disse a ela
Você é minha selva
Ela respondeu
Sim
espero suas ordens




III. O jardim de Cebolinha

Não vou legar nenhuma flor




Dezesseis anos

O encontro entre as famílias
foi marcado
na churrascaria
para que os pais verdadeiros
conhecessem
o filho
roubado um dia depois
de nascido
outros pais
idade
nome

como foi chegar até aqui
digo o trânsito
esta cidade hoje em dia
o tempo não avisa mais
como
quando vai mudar
por favor
uma lâmina
apenas
a carne fica sempre presa
entre meus dentes


claro







sua falta
cavado um buraco
não deixou de ser
cavado um buraco
falta




não obrigada
leve daqui
estou satisfeita
leve este talho
foi como
morrer
bom
o almoço




eu me lembro do seu rosto




você me lembra
um dia
depois
do outro






Breve biografia:

Nasci em 1981 em Vila Velha, no Espírito Santo. Moro em São Paulo desde fevereiro de 1999. Estudei cinema na USP. Dirigi dois curtas-metragens e alguns vídeos, escrevi três peças de teatro, sempre em processo colaborativo (o texto sendo escrito ao longo dos ensaios). Tive dois poemas publicados na Inimigo Rumor 18. Fiz algumas letras para melodias dos outros (e descobri nisso uma alegria grande).



Poética:

“Visto. / Ouvido. // Anotado.” (Jacques Roubaud)

Coisa que se pode pegar com as mãos.

“(…) como a bola azul em suas mãos é a bola azul
em suas mãos e o verão é outra bola azul em suas mãos.” (Carlito Azevedo)

4 comments:

marco said...

O Cebolinha é mesmo tão melancólico. :)

afonso h r alves said...

Uma vértebra verte minha melancolia em memórias multicapazes de fazer pedra a trovejar onde há íons. Diletante sutileza, como deveria ser! linguagem se diz: ponto e algo aleatoria mais.

afonso h r alves said...

planos infalíveis
Cebolinha sempre foi um coiote.

Linda Graal said...

É...lindo ler-te novamente!! ai o Cebolinha!! vc acerta muitas vezes...adoro! saudades querido!