Monday, October 09, 2006

PAULA PADILHA


foto: marisa vianna



mencionada por
Lígia DabulCláudia Roquette-Pinto

menciona a
Armando Freitas FilhoCaio MeiraCláudia Roquette-PintoEucanaã FerrazLígia DabulPaulo Henriques Britto







Poemas do livro tempo inteiro (no prelo)


cinema?


quando essa luz baixar
antes de olhos se fixarem
na imensa tela onde a imagem
nos desenrola para dentro
onde nada havíamos tramado

se nos deparássemos ali
sem roteiro ou argumento
a viver na carne o arrepio
da inesperada cena?




eclipse

ainda no osso a manhã
ampara um resto de insônia
expõe a textura dos olhos
por onde o espírito dissonante
não compreende
a origem da inesperada luz

uma vez na carne a manhã
conspira a favor do gesto
distende o que o breu adensou
segredo deserto pergunta
a ferida
escondida na noite aberta





vidro
ou
espelho
o que vejo
através
é
apenas o meio
ou
outro rosto
se mostra
na suspensão
da pergunta
acesa
sob a lâmina
dos olhos?





bio/biblio:

Paula Padilha é carioca, publicou em 2001 olhar descalço, seu primeiro livro de poemas pela Editora da Palavra. Tem poemas publicados em jornais e revistas do ramo. Atualmente cursa filosofia na PUC-RJ.



poética:

penso sempre no que diz paul valéry sobre a poesia:

"Poesia é a orelha íntima voltada para o possível, para o que se vai murmurar sozinho e, murmurado, volta a ser desejo."

1 comment:

dionisios ditirambicos said...

contingente, imponderável e fluidez.
sua poesia filosofica, me densa, burbulha numa imagem que quero criar.
Pessoa define poeticamente, sem que até hoje a filosofia lhe tenha dado o devido valor e referencia, um plateau de pensamento propriamente -- subtraído da palavra -- de ordem da monada do racionalismo que nao procuramos.
humm. acho.